quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Parabola de beira de estrada


Um homem ía para o trabalho e foi assaltado por um bando de malandros, que deixaram o pobre desgraçado à beira da estrada, a esvaír-se em sangue.

Veio um arminiano e passou ao lado, afinal, se ele ali estava era porque no exercicio do seu livre arbitrio tinha escolhido ir por uma estrada mal iluminada, e por isso estava a colher o que semeara...

Depois veio um calvinista, que também passou ao lado... afinal, se aquilo tinha acontecido, era porque já havia sido predestinado e não valia a pena estar a chatear-se... 

Mais um pouco e passou um universalista, que ao ver o homem caído, preferiu não fazer nada, afinal o fim de todos era igual. 

Por fim, veio um homossexual e ao ver o desgraçado caído, ajudou-o a levantar, sacudiu-lhe o pó da roupa, abrigou-o, levou-o para o hospital, pagou a taxa moderadora e deixou o contacto para pagar todos os exames e procedimentos que fossem necessários.

Quem destes foi o próximo do que foi assaltado e caíu?



Paulo Anselmo
Imagem via wiki Aime Morot-"Le bon Samaritain"

Sem comentários:

Publicar um comentário