sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Graça 1500 anos a fermentar...


"A Reforma foi uma  ocasião  em  que  os  homens  ficaram  cegos,  embriagados  por  descobrir,  no  porão empoeirado  do medievalismo tardio, uma  adega  repleta de graça envelhecida mil e quinhentos anos, com teor alcoólico 100%  — garrafa após garrafa de pura Escritura destilada, um gole da qual  bastava  para  convencer  qualquer  um  de  que  Deus  nos  salva  sem  precisar  de  ajuda.
A palavra do evangelho —  depois de todos aqueles séculos de tentar elevar-se ao céu preocupando-se com a perfeição de seus  atacadores  —  tornou-se repentinamente um anúncio directo de que os salvos já estavam em casa mesmo antes de começarem (...) A graça deve ser bebida pura: sem água,  sem  gelo,  e  seguramente  sem  água  tónica;  não  se  permite  que  nem  bondade,  nem maldade,  nem  as  flores  que  desabrocham  na  primavera  da  super-espiritualidade  entrem  na mistura
"
Robert Farrar CAPON. Between noon and three

O problema foi que a seguir à reforma, voltou-se a engarrafar a Graça. 
Meteram-lhe rótulos, denominação de origem controlada... e transformaram a Graça, num produto de mercado.
Mas esta não pode ser confinada a regras humanas, não pode ser limitada.
A Graça é livre, para libertar o homem da sua condição, para ser distribuída por TODOS.
Sola gratia!

Sem comentários:

Publicar um comentário