quarta-feira, 21 de maio de 2014

Colibri Jesus e Flor Redimida


O abraço da cruz é eterno,
E tão intenso quanto o frágil e profundo bater do coração,
Dum colibri moribundo apaixonado,
Cujo amor o tornará ressuscitado,
Por sua beleza condensada e revelada,
À inefável flor enamorada.


Flor, que fora semente morta,
Gerada com aparente fracasso e fealdade no humos do subsolo,
Para ressurgir perfeita,
Redimida,
Refeita,
Transformada,
Apaixonada,
Crescida,
Acrescida,
Agradecida,


Àquele que não desistiu dela,
Por quem exala divino perfume,
Que expressa em odorífero brado:
Já não sou fracasso, sou bela como o meu amado.


J.p. Maia, 21-3-2014, grato em seu aniversário ao Colibri, cujo pleno amor foi condensado na hora da cruz, em que me redimiu, para que restaurado á condição do amar, eu possa revelar mais e mais seu Amor...

Sem comentários:

Publicar um comentário